Todas as notícias

Coordenadora da UTI Neonatal fala dos cuidados do prematuro

Marcio Cleber

Publicado em 04 de DEZEMBRO de 2017 às 08h39


Na foto a coordenadora da UTI Neo, Drª Roberta e o coordenador da área da Enfermagem da UTI, Welder Sfredo

Drª. Roberta Possa, que coordena na UTI Neonatal da Santa Casa de Misericórdia de Barbacena, fala um pouco sobre a importância esta unidade no contexto da qualidade de saúde.

Qual a importância da UTI Neonatal no contexto da saúde, em prol de salvar vidas de bebês prematuros?

Um bebê prematuro requer atenção especial para o sucesso do seu desenvolvimento. Na unidade de cuidados intensivos neonatais são internados, principalmente, os recém-nascidos prematuros que necessitam de cuidados 24h por dia, bem como aqueles que sofreram algum problema ao nascimento. Depois do nascimento, o que mais agrava a situação dos bebês nascidos precocemente é a imaturidade de alguns órgãos, como pulmão, rins, sistema de defesa do corpo, intestino e coração. Os bebêsprematuros com mais de 34 semanas têm maior chance de sobreviver e de terem menos complicações. Em casos assim, quando atingem 2 kg, em média, vão para casa. No entanto, os prematuros com menos de 33 semanas podem necessitar de um tempo maior de internação e reabilitação. Assistir de perto à fragilidade de uma criançae acompanhar no dia a dia a luta de um ser tão pequeno para sobreviver e se desenvolver são algumas das felicidades e angústias das famílias que enfrentam essa situação. 

Hoje temos a presença mais constante dos pais junto a este prematuro, uma grande novidade dentro do sistema de saúde, isso é importante?

A UTI Neonatal da SCMB permite o acompanhamento dos pais ou responsáveis em período integral. Quando os pais têm um bebê prematuro, estes desejam ficar ao lado dos seus bebês o maior tempo possível. Suprir esse lado emocional é muito importante para que os bebês possam se recuperar e crescer fortes e saudáveis.

O trabalho em equipe dentro desta unidade é fundamental, para um resulto positivo?

Sim. Pediatras, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, psicólogos, fonoaudiólogos, farmacêuticos e nutricionistas são essenciais neste cuidado e por isso devem estar familiarizados com as particularidades da prematuridade. Cada um com o seu olhar e conhecimento, trazendo diariamente a discussão sobre o cuidado individualizado de cada bebê.