Todas as notícias

Método Canguru proporciona mais aproximação entre pais e filhos

Marcio Cleber

Publicado em 12 de NOVEMBRO de 2018 às 10h15



Quando um bebê nasce os pais querem logo pegar este filho ou filha no colo. Mas quando é um bebê prematuro, este desejo é adiado. Um dos serviços ligados à UTI Neonatal, de extrema importância e que emociona muito aos pais, é quando este bebê é liberado para participar do Método Canguru, e assim por tê-lo no colo, mais precisamente no peito. Um método também conhecido como ‘Cuidado Mãe Canguru’ ou ‘Contato Pele a Pele’. Uma ação simples, mas que faz muita diferença no desenvolvimento do bebê e também proporciona mais segurança para os pais. Neste procedimento não é só a mamãe que participa; mas também o papai ou qualquer outra pessoa da família.

O método se desenvolve em três etapas. A primeira ocorre quando o bebê ainda está internado na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal - UTI Neo. Os pais mantêm um contato físico com o seu bebê, isto é, são estimulados pela equipe hospitalar a tocarem seu bebê que está dentro da incubadora. Se o bebê estiver em condições clínicas estáveis, os pais poderão fazer a posição Canguru, onde o bebê fica apenas de fralda em contato com a pele no peito nu do papai ou da mamãe.
Quando o bebê está estável, é encaminhado à Enfermaria Mamãe Canguru para que mãe e bebê permaneçam 24 horas na posição Canguru. Nessa enfermaria a mãe aprende todos os cuidados com o bebê, com a supervisão da equipe hospitalar.

Na posição Canguru, o bebê tem menos refluxo e as vias aéreas são mantidas livres e há diminuição do risco de apnéia (parada respiratória durante o sono). O contato com o corpo da mãe promove a manutenção da temperatura corpórea do bebê. O desenvolvimento neurológico da criança é melhor, ainda mais pelo fortalecimento dos laços afetivos entre mãe e bebê.


Vantagens do método

- Aumenta o vínculo mãe-filho;

- Diminui o tempo de separação mãe-filho, evitando longos períodos sem estimulação sensorial;

- Estimula o aleitamento materno, favorecendo maior freqüência, precocidade e duração da amamentação;

- Proporciona maior competência e amplia a confiança dos pais no manuseio do seu filho de baixo peso, mesmo após a alta hospitalar;

 - Favorece um controle térmico melhor;

- Diminui a permanência hospitalar